texto queridas lembranças
Eu lembro de muitas coisas, em diversas situações.

Lembro da minha infância e como eu era uma garotinha esperta e feliz, aquela que comia doces escondida de minha mãe, ela ficava nervosa e sempre dizia. - Doces faz mau a saúde!

Lembro muito bem a primeira queda que levei ao tentar andar de bicicleta, aquilo realmente doeu mas ela estava lá para me ajudar, me levantou, limpou minhas mãos pequenas e passou um remedinho em minhas feridas. Naquele dia decidi desistir mas elas decidiu me encorajar e não é que consegui?

Lembro de ajuda-la a preparar bolos, tortas, salgados e muitas outras comidinhas que só ela saberia fazer, era bastante agradável sentir o cheiro de café logo cedo.

Lembro dos seus conselhos acolhedores e seus sermões preciosos, eles me ajudaram a saber o que era certo e errado nesse mundo. Nunca esquecerei...

Lembro que em minha adolescência ela se tornou minha grande e verdadeira amiga e era para ela que eu contava minhas felicidades e decepções sem medo de ser julgada, me escutava com carinho e atenção, sempre estava disposta a me ouvir.

Houveram muitas brigas entre nois e isso me deixou muito chateada.

Lembro que quando fiquei adulta ela continuou a me apoiar, sempre foi meu pilar, minha coluna de sustentação, mas a vida nos surpreende e as vezes ela mostra seu pior lado quando resolve nos tirar pessoas que amamos e foi aí que a vida tirou minha querida mãezinha de mim, - Meu mundo acabou!

Agora, sou apenas uma velhinha com grandes e profundas lembranças, uma eterna filha muito grata por ter tido uma pessoa tão especial, amorosa e carinhosa como mãe.

Lembro de lembrar sempre dela,
Lembro sempre de ter esperança, sei que a encontrarei novamente, em breve.
Nos veremos no céu mamãe.



Lorena Xavier

Texto você e eu
Você e eu
Eu e você.
- Juntos?
- Juntos!
Eu me calo
Você fala,
Andamos,
Paramos,
Nos beijamos,
Nos abraçamos,
Na rua, nossa sintonia,
No ritmo de nossos corações.
Tum, tum, tum, tum!
Bate, bate, bate,
Suspiro,
Me viro,
Não quero ver,
Você me entristecer, ao dizer:
- Tenho que ir!
Choro um pouco,
Um alvoroço,
Dentro de mim,
Ao vê-lo partir.
- Oh meu amor, não vá por favor!
Nosso amor,
Querido amor,
Doce amor,
Juntos, sempre juntos
Você e eu
Eu e você.


Lorena Xavier

O pequeno Príncipe
Livro: O pequeno Príncipe
Série: Volume único
Páginas: 96
Editora: Escala
Ano: 2015
Autor: Antoine de Saint-Exupéry


Sinopse: Livro de criança? Com certeza.Livro de adulto também, pois todo homem traz dentro de si o menino que foi.Como explicar a adoção deste livro por povos tão variados, em tantos países de todos os continentes? Como explicar que ele seja lido sempre por tanto milhões e milhões de pessoas? Como explicar a atualidade deste livro traduzido em oitenta línguas diferentes?Como compreender que uma história aparentemente tão ingênua seja comovente para tantas pessoas?O Pequeno Príncipe devolve a cada um o mistério da infância. De repente retornam os sonhos. Reaparece a lembrança de questionamentos, desvelam-se incoerências acomodadas, quase já imperceptíveis na pressa do dia a dia. Voltam ao coração escondidas recordações. O reencontro, o homem-menino.
*O livro que li é da editora Escala mas não encontrei a imagem da capa com esta editora

A sabedoria que uma criança tem e o seu poder de nos fazer refletir.

A trama:

Quando o motor do avião de um jovem piloto resolve quebrar ela acaba por se encontrar sozinho e perdido no meio do deserto do Saara, quando conhece o pequeno príncipe uma garotinho inocente e muito inteligente. Os dois se conhecem e passam a procurar juntos qualquer coisa que possa ajudar a consertar o motor do avião e durante este período o pequeno príncipe faz algumas perguntas e observações que convida o leitor a viajar e pensar em suas palavras.

Narrativa, Linguagem e Narrador:

A história é narrada em primeira pessoa e narra a partir da perspectiva do piloto em relação ao pequeno príncipe e há somente um ponto de vista. Com uma narrativa simples (porém há muitas frases que acho que só adultos irão entender já que o livro é infantil) e despretensiosa ainda sim cativa o leitor a continuar sua leitura, é uma história curta e o único foco é incentivar o pensamento de que "Há uma criança dentro de todos nós e que só precisamos nos lembrar disso". Sobre a linguagem do livro, tem uma certa erudição e está adequada ao gênero. 

Personagens e Diálogos: 

O piloto conhece o pequeno príncipe e em suas conversas o garoto fala de suas aventuras em outros planetas ate chegar a terra e neste momento o autor nos apresenta os personagens secundários porém importantíssimos para a trama porque é a partir daí que podemos captar a mensagem central do livro, há a um flor na qual ele cuida, os planetas e seus 'donos', o carneiro e a raposa. Eu realmente gostei dos diálogos principalmente com os personagens principais, eles são curtos e diretos. 

Concluindo: 

Simples e altamente recomendável para todos e para ser sincera foi um dos melhores livros já tive o prazer de ler há quem discorde mas é quase impossível não admirar e concordar com as palavras do pequeno príncipe. Para quem nunca leu ou quer incentivar seu filho(a) a entrar na literatura eu indico esta obra, O Pequeno Príncipe me cativou e tenho quase certeza que ele vai cativar você também.

Classificação: 


Oi Leitores.

É a primeira vez que faço esse tipo de post no blog então resolvi juntar os livros que li em Janeiro e Fevereiro, talvez eu faça isso mensalmente ou de dois em dois meses, ainda não decidi.

Antes de começar tenho um comunicado, acho que já perceberam que os posts do blog estão "demorando" para serem postados. Acontece que, este ano vou fazer Enem e está muito corrido conciliar e organizar meu tempo, já que tenho que ir a escola de manhã, faço cursinho à tarde e tenho deveres escolares que deixo para fazer a noite. E como adoro o meu blog não quero abandona-lo, vai ser assim, nos finais de semana e em horas vagas irei produzir conteúdo suficiente para uma semana e depois irei programa-los para postarem sozinhos okay? Vamos ao post.

1. Extraordinário - R.J. Palácio:

August Pullman, o Auggie, nasceu com uma sindrome genetica cuja sequela e uma severa deformidade facial, que lhe impos diversas cirurgias e complicacoes medicas. Por isso, ele nunca havia frequentado uma escola de verdade... ate agora. Todo mundo sabe que e dificil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tao diferente. Prestes a comecar o quinto ano em um colegio particular de Nova York, Auggie tem uma missao nada facil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparencia incomum, ele e um menino igual a todos os outros.




2. Corações Feridos - Louisa Reid:
Hephzibah e Rebecca são irmãs gêmeas, mas muito diferentes. Enquanto Hephzi é linda e voluntariosa, Reb sofre da Síndrome de Treacher Collins — que deformou enormemente seu rosto — e é mais cuidadosa. Apesar de suas diferenças, as garotas são como quaisquer irmãs: implicam uma com a outra, mas se amam e se defendem. E também guardam um segredo terrível como só irmãos conseguem guardar. Um segredo que esconde o que acontece quando seu pai, um religioso fanático, tranca a porta de casa. No entanto, quando a ousada Hephzibah começa a vislumbrar a possibilidade de escapar da opressão em que vive, os segredos que rondam sua família cobram-lhe um preço alto: seu trágico fim. E só Rebecca, que esteve o tempo todo ao lado da irmã, sabe a verdadeira causa de sua morte... Hephzi sonhara escapar, mas falhara. Será que Rebecca poderia encontrar, finalmente, a liberdade?

3. O diário de Anne Frank - Anne Frank:
O depoimento da pequena Anne Frank, morta pelos nazistas após passar anos escondida no sótão de uma casa em Amsterdã, ainda hoje emociona leitores no mundo inteiro. Seu diário narra os sentimentos, medos e pequenas alegrias de uma menina judia que, com sua família, lutou em vão para sobreviver ao Holocausto.
Lançado em 1947, O diário de Anne Frank tornou-se um dos maiores sucessos editoriais de todos os tempos. Um livro tocante e importante que conta às novas gerações os horrores da perseguição aos judeus durante a Segunda Guerra Mundial.




4. Finale - Becca Fitzpatrick:
Nora e Patch pensavam que seus problemas tinham ficado para trás. Hank estava morto, e seu desejo de vingança não precisava ser levado adiante. Na ausência do Mão Negra, porém, Nora foi forçada a se tornar líder do exército nefilim, e era seu dever terminar o que o pai começara — o que, essencialmente, significava destruir a raça dos anjos caídos. Destruir Patch.
Nora nunca deixaria isso acontecer, então ela e Patch bolam um plano: os dois farão com que todo mundo acredite que não estão mais juntos, manipulando, dessa forma, seus respectivos grupos. Nora pretende convencer os nefilins de que a luta contra os anjos caídos é um erro, e Patch tentará descobrir tudo o que puder sobre o lado oposto. O objetivo deles é encerrar a guerra antes mesmo que ela venha a eclodir. Mas até mesmo os melhores planos podem dar errado.

Então pessoas...Estas foram as minhas leituras nesses dois meses, espero conseguir ler mais apesar do pouco tempo que estou tendo, e vocês? o que andam lendo?

Viver sozinho é tão normal de amor - Gabriel Melgaço
Livro: Viver sozinho é tão normal de amor
Série: Volume único
Páginas: 216
Editora: Multifoco
Ano: 2017
Autor: Gabriel Melgaço
Onde comprar: Editora Multifoco


Sinopse: Essa história é um romance, no qual um jovem escritor conhece uma advogada. Sim, ela é muito bonita. Se veste de preto e trabalha de salto alto. Os dois se encontram por acaso. Ele passou por alguns términos. Ela acabou de se divorciar de um casamento cujo relacionamento durou seis anos. Quando ela começou a namorar o ex, ela tinha a idade do jovem que ela conheceu. Ele tem aquela juventude que a princípio ela julga ter desperdiçado. Mas conversando com ele percebe que na vida cometem-se erros que no fim são acertados. Não importa suas escolhas cara, um dia você pode se arrepender, por mais certas que elas possam parecer.O livro mistura um romance com contos, crônicas e frases que tem ou não a ver com a história principal. O leitor assim tem uma experiência variada que percorre vários estilos, do drama ao romance, do adulto ao infantil, acompanhando muitas histórias em uma só.Além disso o livro foca em dois dos assuntos mais pertinentes na atualidade: o amor e a solidão. Tanto a falta de amor quanto o excesso de solidão são duas marcas bastante comuns em nossa sociedade. O livro resgata esse debate com leveza e sinceridade. 
* Livro cedido em PDF pelo autor parceiro do blog.

Inspirador e Reflexivo.

A trama:

"Viver sozinho é tão normal de amor" é um livro que reúne textos, contos e frases enquanto conta brevemente o romance que Gabriel vive com Amanda, ou seja do começo ao final do livro essas histórias se intercalam nos fazendo apreciar tanto o romance quanto os textos aleatórios. O autor nos leva a conhecer sua escrita através de textos reflexivos que nos leva a pensar e a nos identificar com diversas situações, eu não tenho costume de ler livros de escritores brasileiros mas este em questão me fez repensar sobre nossa literatura e como ela pode nos surpreender e isso meio que quebrou meu "preconceito". Antes de tudo quero citar aqui meus três textos preferidos: Realidades, É difícil ser Deus, Você não é ninguém.

Narrativa, Linguagem e Narrador:

O livro não tem exatamente um roteiro como eu disse anteriormente há um intercalo entre textos e o romance de Gabriel e Amanda e isso faz a leitura fluir bem e acaba por não deixar a leitura cansativa ou chata, há frases e textos com uma escrita mais formal do que outros isso vai dependendo do objetivo de cada texto e da forma como é contado. A história é narrada em primeira pessoa.

Eu não sei ao certo se o que ele escreveu realmente aconteceu já que o personagem principal também se chama Gabriel, será um biografia? ou apenas uma história fictícia porém quis usar seu próprio nome? Bom, eu não sei.

Personagens e diálogos:

Só existem dois personagens (Amanda e Gabriel), Amanda é advogada de trinta anos que segundo Gabriel, é uma linda mulher que não aparenta ter a idade que tem. Gabriel é um jovem escritor que está em processo de criação de seu livro, os dois se conhecem e passam a se encontrar daí surge o amor entre eles. Acho que os diálogos é uma das minhas partes preferidas, gosto do fato de suas conversas serem tão inteligentes e inspiradoras, é como se os dois se conectassem tanto ao ponto de entenderem cada palavra dita um pelo outro.

Concluindo: 

Este livro é bem suave e dar para ser lido em dois dias (eu é que sou lerda mesmo), imagine isso, está chovendo e está frio, você quer um livro levinho para ler pegue este então. É claro que nem tudo são flores, obviamente teve partes mais interessantes e outras não muito, para mim. também teve alguns textos que não me agradou muito mas acho que eu não estava passando e nem estivesse vivido tal coisa para ter uma maior compreensão ou identificação. Em geral e gostei bastante da escrita, da história e mensagem que o livro traz e capa virou um das minhas preferidas, eu aprecio muito capas simples e coesas.

Antes de encerrar a resenha, sei o que você está pensando:
- Meu Deus eu não entendi esse titulo aí. - Eu também não tinha entendido mas depois que autor explica no próprio livro o que significa tudo fica mais fácil, abaixo sua explicação sobre o titulo do livro:

"- Nós estamos sempre sozinhos, não importa com quem estejamos. Por mais que você esteja namorando, ou casada, você está sempre sozinha. Viver sozinho é tão normal de amor porque mesmo acompanhados ainda temos aquelas reflexões, fantasias, pensamentos, ou aquela dor na consciência que só diz respeito a nós mesmos. É claro que podemos nos esquecer no meio da multidão... no final do dia, as pessoas estão todas sozinhas, vivendo consigo mesmas."

Classificação: 

Resenha do livro Finale
Livro: Finale
Série: Hush, Hush
1- Sussurro
2- Crescendo
3- Silêncio 
Páginas: 301
Editora: Intrínseca
Ano: 2013
Autora: Becca Fitzpatrick

Sinopse: Nora e Patch pensavam que seus problemas tinham ficado para trás. Hank estava morto, e seu desejo de vingança não precisava ser levado adiante. Na ausência do Mão Negra, porém, Nora foi forçada a se tornar líder do exército nefilim, e era seu dever terminar o que o pai começara — o que, essencialmente, significava destruir a raça dos anjos caídos. Destruir Patch.Nora nunca deixaria isso acontecer, então ela e Patch bolam um plano: os dois farão com que todo mundo acredite que não estão mais juntos, manipulando, dessa forma, seus respectivos grupos. Nora pretende convencer os nefilins de que a luta contra os anjos caídos é um erro, e Patch tentará descobrir tudo o que puder sobre o lado oposto. O objetivo deles é encerrar a guerra antes mesmo que ela venha a eclodir. Mas até mesmo os melhores planos podem dar errado.Quando as linhas do combate são finalmente traçadas, Nora e Patch precisam encarar suas diferenças ancestrais e decidir entre ignorá-las ou deixá-las destruir o amor pelo qual sempre lutaram.
Emocionante, arrebatador e surpreendente. Estas são três palavras para descrever esta obra incrível de Becca Fitzpatrick.

A trama:

Este é o quarto livro saga Hush, Hush, o último (infelizmente). Nora agora é uma perfeita nefilim e precisa liderar um grande exército de nefilins embora não queira guerra, tem decisões a tomar, decisões muito difíceis por sinal. Toda a trama neste livro se concentra na busca de Nora e Patch para encontrar aliados para que seus planos possam dar certo. A guerra se aproxima e os dois precisam escolher em que lado ficará e como tudo isso acabará, com muitos mistérios, aventuras e perdas importantes Finale te prende e te deixa sem ar da primeira até a última página.

Narrativa, Linguagem e Narrador:

Assim como os três livro anteriores a leitura é bem agradável e flui bem, Becca se esforçou para não deixar o texto arrastado e conseguiu, muito instigante e estruturada a autora não perde tempo contando mil detalhes, achei bem normal o tempo em que ela usou para descrever os detalhes. Um fato a ser ressaltado aqui é, Becca fez um belo trabalho nos quatros livros ao descrever os cenários e a transição dos mesmos, os detalhes te fazem imaginar com clareza os lugares em que os personagens estão. 

A linguagem utilizada no livro é coloquial bem adequada por sinal, já que o personagem principal é uma adolescente de dezessete anos. A história é narrada em primeira pessoa e só há um ponto de vista de narrador, Nora, no caso. Becca continua a escrever bem e sua escrita me agrada.

Personagens e diálogos:  

É impressionante como a autora não deixou os personagens caírem na mesmice, Patch consegui ser ainda mais sexy e Nora se tornou uma mulher forte, decidida e independente, a autora nos surpreende mostrando que o amor entre os dois está ainda mais forte. Vee continua sendo amiga de Nora, scott agora é como um irmão para ela. Basicamente todos os personagens dos livros anteriores (com exerção dos que morreram) estão aqui, todos individualmente falando evoluirm para o bem ou para o mal isso só lendo para descobrir. Eu não poderia me esquecer de Marcie Millar ou melhor a "porca anoréxica" segundo Nora. aqui ela aparece muitooo mesmo nos revelando ser uma pessoa muito diferente e no final volta a nos assustar com uma nova surpresa. E tem personagens novos aqui, alguns antigos que tiveram uma atenção especial e importante para trama, enfim, todos muito bem construídos e com personalidades diferentes e consistentes.

Com diálogos rápidos, curtos e verossímeis Finale nos envolve e nos prende, fazendo o leitor devorar muitas páginas em um só dia.

Concluindo:

Li a última página com um grande aperto no meu coração eu sabia que estava acabando, sabia que não tinha mais livros da saga para acompanhar, me apeguei muito aos personagens e eu chorei, chorei de verdade era como se uma pessoa que eu amasse estivesse indo embora, adeus Patch e Nora nunca esquecerei vocês. Minha saga preferida.
Finale é um muito bom, drama, suspense, aventura... está tudo aqui e apesar da autora ter tido uma recaída em "Crescendo" segundo volume, ela se ergueu novamente em "Silêncio" terceiro volume, e no último livro da saga ela mostrou que é uma grande autora. Eu achei que não poderia melhorar mas Becca me mostrou o contrário. Obrigada Becca por ter escrito essa saga maravilhosa, obrigada prima por me apresentar estes livros cujo ate então não sabia que existia, e obrigada mãe por ter comprado esses livros para mim.

Oremos irmãos para que Becca resolva transforma-los em filmes.

Patch significava mais para mim do que eu conseguia exprimir em palavras. Seu amor e fé em mim atenuaram as decisões difíceis que fora forçada a tomar recentemente. Sempre que a dúvida e a tristeza invadiam minha mente, tudo que eu precisava fazer era pensar nele. Não sabia se tinha feito a melhor escolha todas as vezes, mas de uma coisa eu não tinha dúvida: tinha acertado com relação a Patch. Não podia desistir dele. Nunca.
Classificação: 

O diário de Anne Frank
Livro: O diário de Anne Frank
Páginas: 352
Editora: Record
Ano: 2008
Autora: Anne Frank

Sinopse: O depoimento da pequena Anne Frank, morta pelos nazistas após passar anos escondida no sótão de uma casa em Amsterdã, ainda hoje emociona leitores no mundo inteiro. Seus diário narra os sentimentos, medos e pequenas alegrias de uma menina judia que, com sua família, lutou em vão para sobreviver ao Holocausto.Lançado em 1947, O Diário de Anne Frank tronou-se um dos maiores sucessos editoriais de todos os tempos. Um livro tocante e importante que conta às novas gerações os horrores da perseguição aos judeus durante a Segunda Guerra Mundial.Agora, seis décadas após ter sido escrito, este relato finalmente é publicado na íntegra, com um caderno de fotos e o resgate de trechos que permaneciam inéditos. Uma nova edição que aprofunda e aumenta nossa compreensão da vida e da personalidade dessa menina que se transformou em um dos grandes símbolos da luta contra a opressão e a injustiça. E consagra O Diário de Anne Frank como um dos livros de maior importância do século XX. Uma obra que deve ser lida por todos, para evitar que atrocidades parecidas voltem a acontecer neste mundo.
Oi Leitores.

Faz um tempo que devo essa resenha no blog mas aqui estou eu. Quero confessar que esta resenha está sendo um pouco difícil para mim pois trata-se de uma história real, é sobre algo que realmente aconteceu.  

A trama:

Anne ganhou seu diário em período muito perto de partirem para o anexo secreto e por isso todos os acontecimentos são sobre sua convivência naquele lugar junto a sua família e mais quatro pessoas. Anne e os outros sete moradores do anexo são judeus e naquela época os judeus lutavam para viver já que apenas sua existência para os nazistas já era o suficiente para irrita-los e odiá-los. Anne narra em seu diário todos os seus pensamentos, sentimentos e tudo que acontece no anexo, uma garota esperta e inteligente que teve seu futuro roubado por pessoas ruins.

Anexo secreto
Narrativa, Linguagem e Narrador:

Como é um diário, os textos eram separados por datas, Anne não deixou que caíssemos no sono enquanto lia. O diário era verdadeiro e não tinha apenas futilidades da garota, o tempo todo senti que Anne escrevia apenas verdades, ela chamava o diário ou a pessoa que iria ler de Kitty e todos os momentos que ela descrevia me senti amiga dela era como se estivesse ao meu lado falando sobre seus medos, suas metas de vida, seus pensamentos e ações, acho que nunca me apeguei tanto a um livro como apeguei a Anne e a seu diário. A linguagem se adapta ao anos que Anne completava, por exemplo, no começo do diário ela tinha cerca de doze anos e sua escrita insinuava isso, era muito mais infantil suas palavras do que em 1944 quando ela estava com quatorze anos onde passou a escrever de forma mais coloquial e mais estruturada Anne estava crescendo e seu talento para escrever também. Obviamente a história foi narrada em primeira pessoa, Anne escreveu tudo então... 

Personagens e Diálogos: 

Existia oito pessoas morando no anexo secreto, Anne Frank, Margot Frank (irmã), Edith Frank (mãe), Otto Frank (pai), Hermann van Pels, Auguste van Pels, Peter van Pels e Fritz Pferffer.
Anne era uma menina engraçada, esperta, inteligente e por vezes séria. Sentimental, escrevia sobre coisas que jamis falaria sobre isso para qualquer outro morador daquele lugar. Margot, sua irmã mais velha era quieta e inteligente e admirada por seus pais por ser exatamente assim, Edtih era uma mulher inteligente e mãe de duas meninas, Margot e Edith não eram muito próxima de Anne.
Otto era o pai de Anne e ela preferia ele do que a mãe, atencioso, paciente e bondoso sua filha o descrevia com todas estas qualidades.
Os Van Pels gostavam de brigar (com exerção de Peter) entre si e com o resto do pessoal. Sr Dussel (Fritz Pferffer) segundo Anne, era um homem chato e egoísta.
O livro não possuía diálogos afinal era um diário.

Concluindo:

Depois que li esta obra descobri porque ela é tão famosa, a veracidade dos fatos e a originalidade da garota que emocionou milhões de pessoas (inclusive eu) fez deste diário o mais triste, engraçado e emocionante de todos os tempos. Obrigada Anne por compartilhar sua história e por nos alertar sobre as burrices que fazemos em nome do nosso próprio orgulho, obrigada também por me ensinar a dar valor as pequenas liberdades que tenho, é incrível como cada livro que leio aprendo uma lição diferente seja por algo bom ou ruim que acaba acontecendo durante a história, O diário de Anne fez tudo isso comigo e agradeço mais uma vez Anne por ter escrito tantas coisas valiosas.

Enquanto puderes erguer os olhos para o céu, sem medo, saberás que tens o coração puro, e isto significa felicidade.
Adormeço com a ideia tola de querer ser diferente do que sou, ou de que não sou como queria ser. E de que faço tudo ao contrário.
Classificação: